Home » Pesquisa » CPA » 5. Contato

CPA

  • 1. Avaliação Institucional na UNITRI

      De acordo com a Lei n.º 10.861, de 14 de abril de 2004, que instituiu o Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior – SINAES, toda instituição de ensino superior deve constituir uma Comissão Própria de Avaliação – CPA. É responsabilidade desta Comissão conduzir todo o processo de Avaliação interna, sistematizar os dados obtidos e fornecer ao Ministério da Educação as informações solicitadas.

      A avaliação das Instituições divide-se em três modalidades: Autoavaliação – Coordenada pela Comissão Própria de Avaliação (CPA) de cada instituição, a Avaliação externa – realizada por Comissões designadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP, órgão vinculado ao Ministério da Educação e o ENADE.

      No Centro Universitário do Triângulo – UNITRI, a CPA, no desenvolvimento de seu trabalho, tem abordado o público interno da Instituição através de cinco pesquisas que consideramos como elementos referenciais para o reconhecimento da qualidade do desempenho institucional:

      • Pesquisa “Ouvindo o Aluno” (POA) – Avaliação do Desempenho Docente
      • Pesquisa “Ouvindo o Aluno” (POA) – Avaliação da Gestão, Infraestrutura e Serviços
      • Pesquisa “Ouvindo o Professor” (POP)
      • Pesquisa “Ouvindo o Funcionário Tecnicoadministrativo” (POF)
      • Pesquisa “Ouvindo o Egresso” (POE)

      Essas pesquisas têm o objetivo de sondar o ambiente interno da UNITRI buscando detectar percepções manifestadas pelos seus três segmentos principais: professores, funcionários e alunos, acerca da qualidade dos relacionamentos pessoais e profissionais, no desempenho dos variados setores de atividades administrativas e acadêmicas, do nível de satisfação com os serviços prestados e recebidos, com a comunicação interna e com outros aspectos, normalmente, usados em análises de clima institucional. Além disso, as pesquisas traduzem o entendimento da CPA UNITRI de que o processo de autoavaliação, com a participação de todos os segmentos do seu público interno, é uma forma eficaz de buscar elementos que possam significar referências para a melhoria da gestão institucional, tanto a acadêmica quanto a administrativa.

      Outro elemento de referência para a UNITRI é obtido por meio da Pesquisa Sobre os Aspectos Sócio-econômicos e Culturais dos Ingressantes (PSE). Esses aspectos socioeconômicos e culturais dos ingressantes são acompanhados desde 2001 e constituem uma visão detalhada acerca do perfil dos indivíduos que tem procurado o ingresso na Instituição.

      São competências da CPA dentre outras:

      I- coordenar e articular os processos internos de avaliação da Instituição;

      II- sistematizar as informações resultantes dos processos de avaliação; e

      III- Realizar e encaminhar ao MEC relatório anual de Autoavaliação Institucional.

  • 2. Histórico da Avaliação na UNITRI

      Em 1995, as então Faculdades Integradas do Triângulo – FIT, antecipando-se à  obrigatoriedade da avaliação para as instituições universitárias, estabelecida pela LDB, elaborou seu Programa de Avaliação Institucional a partir de um amplo e fecundo processo de discussão que envolveu toda a comunidade acadêmica.

      Iniciando-se com a avaliação dos cursos de graduação, o Programa foi desenvolvido em duas etapas: a da Avaliação Institucional, que na dimensão da autoavaliação, envolveu professores, alunos e técnico-administrativos de cada curso e, na dimensão da avaliação externa, contou com a participação de professores, com reconhecida competência, pertencentes a outras instituições de ensino superior. Concluída a etapa da Avaliação Institucional, seguiu-se a Avaliação Docente, realizada em três semestres consecutivos, simultaneamente à  orientação e apoio oferecidos ao professor através de seminários, mini-cursos e palestras.

      Estas duas etapas do Programa de Avaliação Institucional orientaram-se por uma concepção de avaliação como um processo contínuo, sistemático e não punitivo, e foram implementadas de forma natural, aproveitando a experiência que vinha sendo informalmente desenvolvida.

      Ao se constituírem em atividades contínuas, sistematizadas e críticas, as ações avaliativas contribuíram para o fortalecimento de uma cultura de avaliação, passando a ser compreendidas pela comunidade acadêmica como parte integrante do processo pedagógico. O corpo docente, sentindo-se cada vez mais desafiado a aperfeiçoar seu trabalho, a adquirir novas habilidades e continuar a aprender, participou intensamente das atividades de apoio pedagógico realizadas.

      A Reflexão crítica sobre a realidade de cada curso, desencadeada pelo processo avaliativo realizado no período de 1995 a 1999, teve como resultado a melhoria do ensino do ponto de vista dos currículos, das condições de funcionamento dos cursos e do desempenho docente, além da ampliação dos projetos de pesquisa e extensão e a inserção dos professores em programas de mestrado e doutorado.

      Todas essas mudanças foram decisivas para a elevação do padrão de desempenho da Instituição, evidenciando a qualidade do Programa desenvolvido na UNITRI, a qual já havia sido atestada pelo PAIUB – Programa de Avaliação Institucional das Universidades Brasileiras, que constitui referência nacional para a avaliação da educação superior.

      A partir de 2000, as estratégias de avaliação foram ampliadas para incluir a observação do ensino na sala de aula, realizada por pares, na perspectiva da avaliação formativa, com o objetivo de oferecer ao professor o máximo de feedback sobre seu desempenho. Este procedimento é de grande potencial à melhoria do ensino, seja para revelar que há profissionais que não tem perfil para exercer o magistério, seja para estimular em outros, a autoconfiança e o desejo de realização pessoal e profissional.

      Complementarmente, foi utilizada a técnica de diagnóstico instrucional de pequenos grupos, com a  finalidade de induzir o professor ao auto-aperfeiçoamento, a partir das necessidades indicadas pelos alunos para a melhoria do processo de ensino em discussões mediadas por um facilitador, especialista em docência universitária.

      Além disso, a Avaliação Externa foi realizada pela Fundação CESGRANRIO, com o objetivo de caracterizar a realidade institucional da UNITRI, a partir da análise dos cursos, do corpo docente e dos alunos. Esta avaliação baseou-se em fontes de dupla natureza: em documentos institucionais e entrevistas realizadas com os diretores, coordenadores de curso e titulares da administração superior, para coleta de dados qualitativos e quadros de informações da realidade interna da Instituição, para coleta de dados quantitativos. As atividades foram desenvolvidas pelos avaliadores da Fundação e por profissionais de renome de outras Universidades.

      A Avaliação Institucional, enriquecida com a experiência dos últimos anos, foi adaptada às diretrizes do SINAES, mantido o firme compromisso com o padrão de qualidade necessário à  consolidação da Unitri como centro de formação profissional e de produção científica e sócio-cultural.

      Na perspectiva da orientação do sistema do SINAES, a Autoavaliação Institucional da Unitri teve como marco inicial a constituição da Comissão Própria de Avaliação – CPA, a partir da qual foi realizado o Seminário sobre o SINAES e suas regulamentações, com a participação da Profª. Iara de Moraes Xavier, à época, Coordenadora Geral da Avaliação e das Condições de Ensino do INEP, e do Prof. Amir Limana, à época, Coordenador Geral do ENADE.

      Antes de iniciar o planejamento do processo de auto-avaliação institucional, a CPA desenvolveu estudos sobre o SINAES, buscando compreender como está organizado e como se relaciona com o processo de avaliação interna das instituições, assim como as diretrizes para a sua implementação.

      Simultaneamente à  realização desses estudos, e apoiada na compreensão de que o planejamento da avaliação é parte de um sistema analítico mais completo e integrado de informações, a CPA procedeu a um levantamento de informações sobre a dinâmica econômica, social e educacional da região de inserção da Unitri, para que, integradas ao conjunto de informações internas, constituam uma base de dados imprescindível para a auto-avaliação institucional.

  • 3. Objetivos da CPA – UNITRI

      Objetivo Geral:

      Avaliar, numa visão sistêmica, a dinâmica da gestão universitária analisando os processos, recursos e resultados, identificando pontos a serem ajustados dentro de uma ação permanente do processo de otimização da UNITRI, na consolidação de seus objetivos institucionais.

      Objetivos Específicos:

      • Promover a manutenção da cultura de avaliação na UNITRI;
      • Reafirmar o compromisso na manutenção de um processo contínuo e permanente de avaliação institucional na UNITRI;

      Apoiar o planejamento e o redirecionamento das ações da UNITRI, com vistas à busca permanente da qualidade da Educação Superior;

  • 4. Resultados de Pesquisas da CPA
  • 5. Contato

      cpa@unitri.edu.br

placeholder